50 TONS DE IDIOTICES MASCULINAS




Despertem o Christian Grey dentro de vocês.





Tenho visto muitas críticas a respeito de alguns romances que estão fazendo sucesso ultimamente entre a mulherada, como 50 tons de cinza (E.L. James), Luxúria (Eve Berlim), Um olhar de amor, (Bella Andre). Algumas mulheres criticam positivamente e outras, de maneira grotescamente negativa, mas não vou falar dessas, levando em consideração o nível de comentário com erros crassos de português, aqueles seres sicários da língua portuguesa não têm o hábito de ler, tampouco sabem escrever. A maioria das críticas negativas é dos homens que são unânimes em dizer que o livro é “romance de banca”, nada diferente dos romances Júlia/Sabrina/Bianca.  Homens!!! Bah!! Primeiro, por que chamar romances de banca? Por acaso os chamam assim por pensarem que se tratam de escritos ordinários, medíocres sem valor algum? Discordo totalmente dessa “alcunha” para esse gênero de leitura. É leitura por um preço acessível e é uma boa diversão. O engraçado é que muito se fala que brasileiro não gosta de ler e não compra um livro sequer. Existem inúmeras estatísticas sobre os hábitos de leitura dos brasileiros, mas nem todos aceitam qualquer tipo de leitura como válida, pois apenas há pouco mais de uma década é que se admitiu o uso do gibi nas escolas como forma de estímulo à leitura. Agora, quando um livro de sucesso lá fora, faz sucesso aqui também, vêm esses “críticos” e escracham a história, dizendo que o enredo é surreal, que aquilo não acontece, que é impossível, que o cara é o “pica das arábias”, que é “romance de tiazona”, “romance de gordinha frustrada”, “pornô para mamães”. CaaaaaaRAMBA! Isso é que é escrachar o trabalho dos outros sem ter competência para tal! Tá, tudo bem, você se intitula crítico literário de verdade? Hummm Se você diz, quem sou eu para contestar isso. Então... você aceita que é homem? Tudo bem também. Você aceita que é homem. Já que você diz que nada disso é verdade ou pode acontecer na vida real – acho que nenhuma das autoras disse que é baseado em fatos reais – como homem que você pensa que é, homem, macho, másculo, o fodão que pega todas, por que não admite tentar fazer qualquer uma daquelas, digamos, estripulias sexuais dos casais personagens principais dos livros acima? Por que vocês não admitem que são fracos de cama? Que nem sempre pegar muitas é ser bom o suficiente? Talvez você seja bonitinho, engraçadinho aí a mulher esteja a fim e vai pra cama com você. Mas quando elas não te procuram mais, não querem nem saber de ti, te viram a cara quando encontram novamente na rua, pode estar certo, você é ruim pacas de cama.


Meus queridos, vocês realmente não entendem nada de mulher. Desnudem-se de suas convenções, formalismos e aprendam com quem mais sabe ensinar sobre a mulher, senão, a própria mulher. Parem de falar e pratiquem o que está no livro. Eis algumas dicas: mulher gosta é de romance, beijo na boca, que se corra atrás quando ela está interessada, de flores, de ser paparicada, valorizada, endeusada, ouvida, de elogios, de se sentir gostosa. Vocês dizem esse monte de baboseiras sobre os livros porque sabem muito bem que suas parceiras -se tiverem alguma-, não gritam quando gozam, quando atingem o ápice, o clímax, quando chegam aos céus do prazer, quando estão com vocês. Não chegam sequer perto do “Sexo baunilha de Christian Grey”. Se alguma fizer, é tudo fingimento, só para vocês não se sentirem mais incompetentes do que já são, OU ESTÃO COM PRESSA E REZANDO PARA A TORTURA DA INCOMPETÊNCIA ACABAR LOGO. Os que leram o livro e “resenharam” negativamente, deveriam aprender com o personagem, procurar despertar o Christian Grey dentro de vocês, só assim os gritinhos de prazer VERDADEIROS, SEM FINGIMENTO virão, neném! Chamar a leitora de gordinha frustrada, tiazona, essas idiotices aí, não “tá” com nada. Frustrados são vocês que não sabem fazer uma mulher gozar, não perguntam se elas estão gostando, como querem ou do que precisam. Frustrados são vocês que não sabem onde tocar, não têm pegada, não sabem fazer a pele arrepiar, os olhos revirarem. Frustrados são vocês que jogam para o mundo que a mulher é complicada e impossível de se entender.
E que as feministas não me entendam mal. Não quero dizer aqui SIM à submissão da mulher ao homem, daquela maneira antiga, arcaica onde a mulher dizia sim ao senhor seu marido ou seu pai e baixava a vista para tudo, mas entre quatro paredes vale tudo. Ali o que interessa é o jogo que dá prazer aos dois. Sinceramente eu não gosto de espancamentos, de sovas, e outras coisas mais, não reajo bem à dor, mas é a preferência de cada um e que se respeite.  E também não acho que as personagens Anastasia Steele e Dylan Ivory sejam mocinhas submissas no sentido de serem inferiores ao homem, nem na cama nem fora dela. Elas são mocinhas abertas ao próprio prazer sexual que nunca antes sentiram com homem nenhum. São submissas ali no sentido de se submeterem aos prazeres carnais, à luxúria, ao pecado original. E que mal há em querer sentir prazer, “morrer” de orgasmo? Portanto, garotos, leiam e grifem umas cenas legais e pratiquem com suas mulheres e aí sim, vocês poderão quem sabe, conseguir levar uma mulher a atingir o nirvana. Quantidade não é qualidade!
Um beijo com gosto de mel,
Amélia Endiabrada.
 

 

 


Amelia Endiabrada

Um comentário:

  1. Não li os livros, porém concordo com você. Os homens devem parar com esse machismo idiota e se curvar à esse tipo de leitura e aprender com quem sabe ensinar. A mulher. Só ela é quem sabe dizer o que quer e como quer. Vou já comprar o meu exemplar para aprender. Antes tarde do que nunca.

    ResponderExcluir

Comente! Sua opinião é muito importante para mim.